Asus Zenbook 14 UX433: compacto de produtividade e tela boa

O Zenbook 14 UX433 é um notebook compacto focado em produtividade, ou seja, com um bom nível de processamento para tarefas padrão, bateria para tentar durar o dia inteiro, uma tela bastante competente, e claro, peso e tamanho de um ultrabook. O equipamento vem para esquentar um segmento que eu sinceramente achava que estava carente de uma nova solução, mas será que vale a pena ou é só mais um? É a nossa discussão do review de hoje.

Construção e tela

Para começo de conversa, vamos falar da construção, um ponto que eu gostei bastante desse equipamento. A Asus optou por um corpo onde o topo em peça única encaixa sob a base com um acabamento metalizado, o que o deixa rígido, bem rígido, inclusive dá para torcer e ele quase não se mexe. Concorrentes diretos me parecem um pouco fracos nesse sentido, parecidos com plástico ou caros demais.

Outro ponto interessante é o tamanho do Zenbook 14. A empresa anuncia que tem o tamanho de uma folha A4, e depois de sair de um MacBook Air para algo ainda menor, é realmente de surpreender. Aliás, esse tamanho só é possível porque melhoraram o aproveitamento de tela, que agora ocupa 92% do espaço frontal.

Esse é um resultado bastante interessante, mas não é o que mais me agradou não. Eu curto telas brilhantes como essa, ainda mais quando ela tem um espectro de cores um pouco melhor. Alguns pontos importantes aqui: existem pessoas que preferem acabamento fosco, que geralmente é antirreflexivo. É questão de gosto.

O caso do espectro já é mais fácil, porque a empresa promete 100% do espectro de cores sRGB, uma marca boa, melhor que a média, mas que ainda não é o melhor dos mundos para o fotógrafos, video makers ou qualquer outro tipo de produtor gráfico. Para isso, tem de subir para os modelos mais caros da marca que passam a entregar um espectro ainda maior.

O engraçado é que apesar de ele estar super pequeno, são 1,2kg, uma boa marca, mas quando você vê ele todo compacto, espera que seja algo super leve, mas é normal, dentro do esperado. Parece mais maciço. Eu já testei notebooks de 900g, e sinceramente, parece que eles estão quebrados de tão leve.

Aliás, está na hora da gente começar a falar um pouco de preço. O equipamento foi lançado no Brasil por R$5.900,00, um valor ligeiramente abaixo da concorrência direta: LG Gram, Style S51 e Macbook Air. Para isso a Asus fez alguns ajustes.

O primeiro deles foi fabricar ou montar o equipamento aqui no Brasil para receber benefício fiscal, e para isso, o carregador passou a ser feito aqui e apesar de não mudar de potência, mudou de design. Não temos placa dedicada como em modelos internacionais e nem uma capinha que também acompanha os modelos lá fora – trocas super válidas pra mim. Focar no que importa.

Conectividade

Aliás, o que importa para mim é conexão. Nesse quesito temos uma porta USB 2.0, outra USB 3.0, USB Tipo C sem Thunderbolt, uma HDMI, uma entrada pra MicroSD e uma saída para fone de ouvido. MicroSD me ajudou a passar o áudio para o computador, mas me obrigou usar um adaptador para cartões SD.

O equipamento já vem com Bluetooth 5.0, conexão que não só melhora velocidade de transferência, mas no pareamento, que é o momento que eu mais passo raiva. Ponto para o Zenbook 14, um equipamento mais atual.

Sobre o som, os alto falantes prometem melhor áudio através da parceria com a Harman Kardon. Eles são mais legais do que de modelos de entrada, mas sinceramente, eu não achei nada demais. Temos de lembrar que ainda estão virados para baixo. Enfim, qualidade e equalização, mas volume ruim.

Teclado e trackpad

Outro ponto que me importa bastante é o teclado. E temos vários pontos positivos e negativos. Gostei da sensação dele, desde à altura das teclas até o tempo de resposta.

Senti falta de um um atalho de play e pause e essa bendita interrogação no Alt Gr que acabou fechando várias janelas antes de ser ativado corretamente. O teclado ainda é um pouco reflexivo e a luz que emite é inconsistente, com algumas, dificultando enxergar em alguns momentos.

O trackpad funciona bem e a compatibilidade com os drivers do Windows Precision oferecem todos os recursos de multitouch que viraram padrão com o passar dos anos. Inclusive, tem um teclado numérico nessa área, que pode ser ativado ou desativado quando for preciso e que está sendo uma marca registrada da marca. Além da angulação que o teclado fica posicionado por conta da abertura da tela que também auxilia na refrigeração do notebook.

Ele possui também o desbloqueio por reconhecimento facial do Windows Hello, que é muito prático. Curti não ter de digitar minha senha a todo momento.

Configuração e desempenho

Por aqui temos um Intel i7 8565Ucom clock base de 1,8Ghz e boost de 4,6 Ghz. Isso quer dizer que ele consegue atingir picos mais altos de uso, mas não vai ser tão gastão de bateria a todo momento.

Por não ter nenhum chip gráfico dedicado, basicamente não dá pra jogar nada pesado, mas LOL, CS:GO e Dota 2 conseguem funcionar tranquilamente. Além disso, eu consigo jogar vários jogos indies do Xbox Game Pass com bastante mobilidade e uma ótima tela, o que me agrada bastante. Claramente esse não é o foco do produto, mas se você pensa em pegar esse notebook para aplicações profissionais, como AutoCAD, Premiere, Photoshop ou After Effects, pode sentir a necessidade de mais banda de processamento pra trabalhar sem engasgos.

Pra fechar, são 8GB de memória RAM DDR4 soldados na placa e o único componente que pode ser trocado é seu SSD de 256GB. Felizmente, esse componente não foi capado como em modelos da Samsung e veio com leitura e gravação perto dos 2GB, o que deixa a performance geral muito boa. Eu mesmo não tenho do que reclamar.

Ficou faltando eu falar sobre bateria, um dos grandes pilares desse notebook. Uma carga conseguiu quase segurar o uso diário de trabalho por aqui. Notamos uma média de 6 horas de uso misto que podem até alcançar mais tempo fora da tomada se usarmos o modo de economia de energia, que nem tirou tanto desempenho assim, mas reduziu bastante o brilho da tela.

Se quiser jogar um pouquinho, é claro que esse desempenho cai bastante e o que pode incomodar um pouco é o fato da bateria demorar perto de 2 horas para carregar totalmente.

Conclusão

Sabendo do segmento em que ele está inserido, o Zenbook 14 não só faz bastante sentido como sai um pouco mais barato que os concorrentes diretos como Dell XPS 13, LG Gram e o Style S51 do ano passado, mesmo sem perder em especificações.

Dentro de suas limitações, a Asus entregou um pacote bem competente e que apesar de um preço elevado, a qualidade da tela, construção e componentes justificam boa parte desse valor cobrado no mercado.

8.5 Total Score

User Rating: Be the first one!
Diga o que você achou

Leave a reply