Custo-benefício

Moto G6 Play vale a pena?

A linha G da Motorola geralmente acompanha o preço médio gasto em um celular pelo brasileiro. Nesse ano, os principais modelos parecem ter subido de categoria, mas ainda temos alguns por volta de R$1000. Será que o Moto G6 Play vale a pena? E para quem? Vou explicar.

Design

A parte mais interesse do Moto G6 Play no meu ponto de vista é o design. Apesar de contar com uma traseira em plástico, ela imita o vidro e vem em cores que chamam mais a atenção. Nas laterais temos chanfros que ficam confortáveis na mão e que são muito bem construídos, evoluindo um pouco mais esse ponto nesse segmento de preço, coisas que outras marcas também andam fazendo mas não dessa forma.

A Motorola optou por manter o design característico do Moto X4 para todos os modelos G, com destaque especial para o olho de “minion”, que eu sempre comento que não ligo. Deixa a marca melhor caracterizada.

Como todos os novos modelos são grandessíssimos imãs de digitais todos vem acompanhados de capinhas transparentes que eu gostei bastante, afinal, nada de cavidade da câmera saltada!

Resumindo: o G6 Play é pra ser usado com capinha e ponto.

O Moto G6 Play foi lançado até o momento com as cores índigo e ouro, que é a que temos aqui e que achei bem bonita.

Tela

Outro ponto que gostei bastante foi a transição do leitor de digitais para a traseira do aparelho em um local bastante confortável e com um relevo que ajuda a acertá-lo. Essa mudança serviu para acomodar a tela de 18:9 na frente, ou pelo menos deveria, porque a Motorola fez questão de deixar um belo de um espaço frontal para colocar o seu logo! Que sentido isso faz? Eu não sei.

Mas tudo bem, porque pelo menos a tela de 5,7 polegadas possui uma boa taxa de cor e contraste ao usar tecnologia IPS. Seu único problema? A resolução é apenas HD.

Isso está sendo bem comum em modelos chineses que usam a proporção 18:9, mas o LG Q6 entrega uma belíssima tela Full HD com mesma configuração, um corpo bem mais enxuto e por um preço mais baixo. Só fica faltando o leitor de digitais.

Voltando ao G6 Play, essa resolução menor não incomoda no dia a dia, já que temos um brilho de tela também condizente com sua nova faixa de preço, mas quando você vai ver um filme ou YouTube é aí que o bicho pega.

Desempenho e armazenamento

Por outro lado, jogos exigem menos do equipamento, mas nada que um G5S Plus ou G5 Plus com Snapdragon 625 não consiga fazer, então você meio que fica em uma sinuca de bico. Eu consegui jogar um PUBG e Freefire no low, mas uma vez ou outra percebi alguns lags. Asphalt 8 também teve quedas de frames.

Temos por aqui um Snapdragon 430 com 3 GB de RAM e 32 GB de armazenamento. Esse é um processador que já não vai te incomodar nas tarefas do dia a dia e com 3 GB de RAM você começa a deixar mais aplicativos abertos em paralelo, ou pelo menos deveria, porque eu senti um pouco mais a reinicialização forçada de aplicativos acontecendo em segundo plano.

Felizmente temos bem mais espaço sobrando que o Moto X4, e claro, um Android bem menos carregado que ajuda um pouco mais no desempenho. No fim, a Motorola substituiu apenas alguns aplicativos nativos pelos seus próprios e adiciona aplicativos como o Moto Manager que gerencia todas as especificações e o de planos de fundo.

Como sempre, temos o Moto Gestos que serve para você silenciar o aparelho, ligar a câmera e para alguns outros comandos. O Moto Tela que traz algumas informações de notificação antes mesmo de você destravar e o Moto Key que permite você usar sua digital para desbloquear outros serviços com senha. Está presente também o Dolby Sound para melhorar a equalização do sistema de som, que infelizmente ele não funciona via através da saída P2, mas sim através do alto falante acima de tela e via Bluetooth.

Câmera traseira e frontal

Em questão de câmeras não tem jeito, o G6 Play é muito fraquinho. Com uma câmera traseira de 13 megapixels e abertura de f2.0 já é meio complicado tirar fotos legais durante o dia, coisa que de noite nem pensar.

Ele realmente perde muita definição e principalmente cores em baixa luz. Além do fato que no geral tudo parece meio chapado. É o que você espera de um celular de ~R$800, mas não mais do que isso.

Se câmera importa para você acima de tudo e não tem muito pra gastar, um G5 Plus ou G5S Plus estão quase no mesmo preço com desempenho melhor nesse quesito. Até porque, gravamos apenas em 1080P por aqui com uma estabilização bem fraca.

O HDR funciona e modifica um pouco a imagem, aumentando a faixa dinâmica, mas não é muita coisa não. O foco, como sempre, é rápido.

Na câmera frontal tivemos uma evolução perante aos modelos do ano passado já que o sensor passou de 5 para 8 megapixels, mas sinceramente? A evolução em qualidade de imagem não foi tanta assim. É só cair um pouco a luz que a velocidade do obturador já dificulta pegar qualquer pessoa focada e é quando comparado com os modelos mais caros da mesma linha que ele fica para trás.

De novo, na faixa dos R$800 você terá uma câmera condizente com o mercado, por mais do que isso ela fica pra trás. Felizmente temos flash por aqui.

Bateria

Para fechar, temos duas ótimas notícias no quesito bateria. O Moto G6 Play é o que vem com maior capacidade nesse quesito. São 4.000 mAh que representam entre 9 e 10 horas de uso de tela, uma marca que deveria até ser melhor se considerarmos a tela de resolução menor, o processador e a otimização da Motorola.

A segunda boa notícia é que quando você tem uma bateria grande ela também demora para carregar. Não dessa vez, porque com o carregador Turbo Charger da Motorola, ele carrega completamente em até 2 horas.

Vale comentar que até por conta do processador nós não temos acesso a redes 5GHz. O aparelho conta com giroscópio mas não conta com bússola.

Conclusão

O Moto G6 Play é um aparelho bem legal, mesmo. Ele tem tela de qualidade, uma boa bateria que carrega rápido, um processador que vai sim engasgar em alguns momentos mas que roda a maioria das coisas que o usuário médio precisa e é bonitão.

Só que como todo lançamento não vale o seu preço, outros aparelhos, até mesmo da Motorola ganham em cada um dos quesitos falados. O LG Q6 é mais compacto e tem tela FullHD, o Moto G5 Plus ou G5S Plus tem câmeras e processadores melhores e temos outros modelos bem parelhos em bateria.

Pensando nisso, o Moto G6 Play vale sim a pena quando baixar um pouco de preço e atingir a faixa dos R$800.

7.5 Total Score
Motorola Moto G6 Play

Uma ótima pedida para quem não exige tanto de um smartphone, com uma boa bateria e carregamento rápido que não decepcionam. A qualidade da câmera e performance também não desapontam, mas nosso conselho é esperar o preço baixar um pouco.

User Rating: 3.72 (18 votes)
4 Comments
  1. Péssimo,deu defeito com 2 meses de uso.
    Perdi o celular,a garantia não vale nada.

  2. Eu comprei um moto G6 play a uns 20 dias… Está sendo uma experiência péssima.. tive que fazer duas trocas direto na loja pois o aparelho veio com defeito, o terceiro aparelho apresentou defeito também na câmera frontal, bluetooth e 4 G.
    A captação do sinal do wi-fi do é péssima, não sei se está com defeito também…

    O pior é que eu uso para trabalho, eles querem que eu deixe na assistência para manutenção… Como ficar sem trabalhar?

    Eu não recomendo de forma alguma… Não só pelo aparelho mas pela empresa também…o descaso da empresa em resolver é gigantesco…

    Antes eu tivesse comprado um Samsung.

  3. Comprei o meu moto g6 play a 3 semamas e só deu problema, esquenta muito mesmo sem eu estar usando ou carregando e trava mesmo tendo poucos apps, hoje ele desligou e não ligou mais, levei na assistência técnica mas vai demorar o conserto, estou decepcionada e não recomendo.

  4. Péssimo dos péssimos! Comprei um pra mim e outro pra minha filha e em menos de 1 mês os dois deram problema Reclamei ,liguei enfim não resolvem, nunca mais compro Motorola na vida .

Leave a reply