Moto G6 Plus vs Galaxy A8: a batalha do intermediário premium

Dando sequência na nossa onde de comparativos de celular, os escolhidos da vez são o Moto G6 Plus e o Galaxy A8, dois smartphones lançados em 2018 e que quase são da mesma faixa de preço. Será que vale investir um pouquinho mais no A8 ou ficar com o G6 Plus mesmo?

A linha Moto G vende bastante e isso não é segredo algum, mas com o tempo o seu preço foi subindo de categoria. Com um Moto G6 Plus na faixa dos R$1600 que teimam em não baixar, será que vale a pena colocar mais uma grana e pegar um Samsung Galaxy A8, afinal, essa é outra empresa que vende horrores por aqui, né?

Design

Se for pela construção, temos um embate forte, afinal, os dois modelos levam vidro na parte da frente e de trás e um acabamento impecável no geral. Enquanto o G6 Plus tem um toque mais arredondado o Galaxy A8 é mais quadradão, contando com bordas menos anguladas e corpo ligeiramente mais espesso. Parece que não, mas a diferença é de apenas 0,4mm, totalizando 8,4mm para o A8.

Por outro lado, temos no A8 a câmera saltada e a extrema necessidade de usar uma capinha, já que apesar do modelo da Samsung ficar com umas digitais sempre aparecendo na sua traseira, o G6 Plus parece ficar com muita, mas muitas marcas.

Os dois contam com entrada de fone de ouvido na parte de baixo, bem como a entrada USB-C e os botões de volume e power nas laterais. No A8 a saída de som é na lateral, em um lugar mais conveniente do que os modelos antigos da marca. No G6 Plus, a mesma saída fica na parte da frente, voltado diretamente pra você e logo acima da tela. Esse ponto divide opiniões, mas ter o falante virado pra você ajuda muito no consumo de mídia ou até mesmo na hora dos joguinhos.

Um ponto legal dos dois modelos é a presença de gavetas que permitem dois chips ao mesmo tempo em que é possível aumentar o armazenamento interno via micro SD. Enquanto no G6 Plus isso é realizado através de uma única gaveta, no A8 temos duas separas, no topo e no lado esquerdo do celular.

Tudo muito legal, mas apesar dos dois modelos possuírem uma tela com uma proporção mais esticada, a maior é do G6, que tem 0,3 polegadas a mais e conta com um aproveitamento frontal bem ruim. Pelo menos desta forma, eles conseguiram colocar o leitor de digitais na parte frontal, aproveitando para manter aqueles atalhos que fazem você voltar ou mostrar todos os aplicativos jogando o botão de um lado pro outro.

No Galaxy A8, o sensor fica na parte traseira e nos dois casos eu não tive problema algum com leituras. As duas empresas também optaram por implementar um sistema de desbloqueio facial, que funciona quase com o mesmo tempo de resposta, entre 1 e 2 segundos, com uma vantagem leve para o A8. Eu particularmente tive problema com eles em média e baixa luz, e não gostei dos ângulos de visão necessários para o desbloqueio. Então o fato de ser possível usar o sensor de digitais em conjunto com esse desbloqueio foi essencial.

Tela

Apesar do brilho ser similar, temos alguns outros pontos bem diferentes na tela de cada aparelho. No G6 Plus, o painel utilizado é um IPS LCD Full HD de 5,9 polegadas que entrega uma gama de cores bem parecida com o A8, mas que fica um pouco para trás no contraste, já que o A8 utiliza o típico painel super AMOLED em sua construção.

Essa tecnologia permite que o preto seja bem mais preto e por escolha da Samsung geralmente tem uma saturação maior. Eu prefiro os resultados do A8, mas depende do gosto de cada um.

Desempenho

Temos diferenças também no hardware dos dois aparelhos, já que o G6 Plus vem equipado com um Snapdragon 630, octa core de 2,2GHz e 4GB de memória RAM, enquanto o Galaxy A8 vem com um Exynos 7885 octa core de 2,2GHz e os mesmos 4GB de RAM.

Olhando pra tanto número assim pode até parecer que eles são iguais, mas dando uma olhada mais a fundo nos sites especializados em benchmarks, como o notebookcheck, dá pra perceber que o A8 se sobressai em testes onde somente um core do processador está sendo testado e também na parte gráfica. No final das contas, essa diferença fica por volta dos vinte e seis por cento, dando a “vitória” para o Galaxy A8.

Sendo bem sincero, esses números são bons pra gente tirar algumas conclusões, mas o que vale mesmo é a fluidez no uso, que fica muito próximo um do outro, com um leve ganho para o A8 em jogos e no gerenciamento de aplicativos em segundo plano, já que o G6 insiste em fechar alguns aplicativos precocemente. O A8 por outro lado sofre algumas lentidões na hora de colocar os aplicativos em paralelo na mesma tela, algo também associado ao seus software.

A parte boa desses processadores intermediários fica mesmo no gasto energético. O G6 Plus chega perto das 8 horas de uso de tela direto com 3.000mAh e já traz na caixa o carregador Turbo Power de 15W com tecnologia proprietária da Motorola que vai de zero a cem por cento de bateria em menos de duas horas.

O A8, equipado com uma bateria de 3000mAh, não passa das 7 horas de tela ligada, o que não é uma diferença tão grande assim, mas que acaba sendo uma desvantagem se você fica sem acesso a uma tomada ou power bank na maior parte do dia.

É possível fazer um upgrade para o modelo plus para conseguir 3500mAh e quase 9 horas de tela. Interessante é que o equipamento já tem carregamento rápido também. Então sinceramente, apesar do G6 Plus ser um pouco melhor, esse certamente não será um fator chave de compra porque até que está bem perto.

Software

Vale lembrar que diferente do G6 Plus, que carrega um Android sem muitas personalizações, o A8 vem com a interface Samsung Experience, que modifica muito o Android padrão, e que mesmo adicionando alguns recursos interessantes, como o Always On Display, os duplicadores de aplicativos, gerenciador de bateria e o screenshot longo, entre outros, acaba por deixar o sistema mais pesado e como eu comentei, um pouco lento com aplicativo rodando em paralelo na tela, ou até mesmo transitando entre eles.

A Bixby não está completa por aqui, atuando mais como um compilado de informações na aba esquerda da área de trabalho do que como uma real assistente.

Nesse ponto, o G6 Plus passa a ter vantagem, já que seu moto voz aceita diversos tipos de comando via voz que por enquanto precisam ser bastante específicos para funcionarem, mas pelo menos funcionam. Ele também está equipado com uma versão do Android com menos modificações e com um visual mais padrão dos modelos Stock Android.

As adições realizadas pela Motorola são legais e contemplam o moto tela – que já traz algumas boas informações mesmo com tela desligada, o moto ações que é extremamente útil, o moto key para pagamentos e acessos com digital e claro, o moto voz.

Toda a linha G 2018 já contempla o Android Oreo e deve receber o Android P segundo a própria empresa. No caso do Galaxy A8, a atualização para o Oreo demorou um pouco para chegar e ninguém sabe se ele ainda receberá a nova versão. Então em quesito de atualização ele fica sim para trás. Pelo menos, os dois modelos contam com NFC e bluetooth 5.0.

Se um sistema é bem modificado, tem mais funções e sofre um pouco mais em transições de aplicativos, o da Motorola acaba por trazer menos funções, mais atualização e infelizmente um gerenciamento de RAM mais limitado. Questão de decidir o que mais importa pra você mesmo.

Câmera traseira e frontal

Para fechar o comparativo, está na hora de falar algo que importa muito para a maioria dos usuários, a câmera.

Enquanto o G6 Plus carrega um par de lentes traseiras, sendo a principal de 12MP com abertura f/1.7 e a segunda com 5MP, presente especialmente para o modo retrato, corte de fundo e seleção de cor, o A8 traz um sensor único de 16 megapixels e abertura f/1.7.

No geral, o A8 se sai melhor na maioria das ocasiões ao captar mais detalhes das fotos e em baixa luz não tem tanto ruído como no G6 Plus, mesmo este tendo melhorado muito desde a última geração. O que acontece é que a Samsung faz sempre um processamento forte que pode até reduzir a nitidez, mas dá uma cara melhor em situações mais escuras.

O que dá para perceber também é que o G6 Plus geralmente dá uma profundidade maior para as fotos, mas tem um pouco mais dificuldade de trabalhar com cores e balanço de branco, como estou mostrando nessas fotos de laranjas aí que estão aparecendo.

Como eu não sou muito fã do modo retrato produzido pelo G6 Plus, devo dizer que no geral a câmera do A8 me agradou mais. Definição, cor, balanço de branco e foto noturna.

Agora, pra quem faz vídeo ela tem um problema bem chato. A falta de capacidade de gravar em 4K, coisa que o G6 Plus faz. Em modo Full HD no entanto, os dois tem uma boa estabilização e entregam opções de regulagem de qualidade, apesar do A8 ser um pouco mais lento para focar.

Esse esquema do foco é sempre um problema nos celulares da Samsung e apesar de já estar melhor por aqui só é realmente resolvido na linha S. E nenhum dos dois tem estabilização ótica, apenas digital.

Na câmera frontal, temos uma clara vitória para o A8, que entrega duas câmeras frontais de 16 e 8 megapixels com abertura de f/1.9 que possibilitam, além de uma foto wide, o foco seletivo com um ótimo nível de recorte e menos ruído em baixa luz.

Sim, a câmera do Samsung me deixou mais branco e com um sensação de que o aplicativo usou o modo embelezamento mesmo quando este estava no zero, mas ele ainda é bem mais definido do que a câmera com alto contraste da Motorola.

Se você gosta de tirar bastante foto, inclusive muita selfie, o A8 é o mais indicado, porém, se você é do time do vídeo, é melhor escolher o G6 Plus, que apesar de tudo, entrega mais resolução e mais frame rate, ideal pra esse tipo de trabalho.

Conclusão

O Galaxy A8 leva vantagem em quase todos os pontos, como um processador ligeiramente mais eficiente, câmeras mais interessantes para fotografia e um design mais atraente, mas você terá de investir pelo menos uns 300 reais a mais nele, senão mais dependendo da época.

O Moto G6 Plus por sua vez é levemente superior em bateria e em resolução de vídeo na câmera traseira, além de trazer o seu clássico Android que pode ser do agrado de muita gente. Ele fica bem pouco pra trás do outro modelo, sendo uma opção bem interessante para quem não quer gastar tanto assim. Novamente, é questão de opinião, afinal, temos dois aparelhos muito bons por aqui.

1 Comment
  1. Como sempre, mais um excelente comparativo do escolhasegura, minha referência principal antes de comprar qualquer smartphone, parabéns.

Leave a reply