Motorola One Vision: uma aposta que deu certo

O primeiro Motorola One foi claramente uma quebra dos pilares de design e estratégia da empresa, uma forma de correr atrás das tendências de mercado e ver se colava. Dar opção aos usuários parece que deu certo, ajudou nas vendas e agora, o Motorola One Vision lidera a implementação de novas características aqui no Brasil. Tela 21:9, modo noturno e tela com pequeno entalhe nos intermediários. Será que o novo é bom, ou simplesmente novo? É o que a gente vai discutir hoje!

Corpo e Tela

Assim como na versão anterior, o design do Motorola One Vision continua bem descaracterizado quando comparado com as outras linhas da marca, sem olho de minion nem nada parecido, mas dessa vez ele traz um pouco mais de personalidade (da Samsung).

A construção repete o corpo de vidro com bordas de plástico, mas é toda arredondada e traz a tela em proporção “cinematográfica” de 21:9, algo bem raro de aparecer em smartphones até o momento. Essa proporção dá uma cara bem mais comprida pra ele e eu sinceramente gosto – ao mesmo tempo em que você ganha mais área útil, principalmente para digitar -, porque o aparelho preserva a pegada mais confortável de celulares menores.

Felizmente, esse incremento de proporção não vem sozinho, a qualidade da tela também progride. O brilho, que era problema da geração anterior foi resolvido e temos uma tela que vai até 700 lux, o que permite que você o use na rua sem problema. Além disso, o painel LCD IPS possui bons níveis de cores e contraste – como é de praxe para uma tela de 2019.

O entalhe, é bem parecido com o que vimos na família Galaxy S10 da Samsung, só que do lado oposto e com um circulo bem mais grosso em volta da lente. Isso porque o Vision utiliza tecnologia LCD na construção da tela, e um simples corte provocaria um vazamento de luz naquela região, que com certeza atrapalharia bastante.

Mesmo assim você ainda consegue ver um pouco de vazamento quando o celular está deitado, mas é algo bem pequeno e realmente não me incomoda.

Outra mudança muito bem vinda foi a remoção do nome da marca, que comia uma parte grande da tela, igual vimos acontecer até na linha Moto G7, lançada há pouco tempo. O único logo agora fica no leitor de digital, localizado na parte traseira do aparelho e funciona muito bem.

De resto, está tudo dentro do esperado, o USB já era do Tipo C desde o modelo anterior, a bandeja de chips é hibrida, e o P2 está lá em cima, firme e forte. O alto falante é mono, de qualidade até que boa, mas que claro, fica pra trás do Moto G7 Plus que deu foco para essa característica – infelizmente ele fica naquela posição ruim, fácil de tampar enquanto você assiste algo na horizontal.

Hardware

Continuando no tema evolução, ano passado, o Motorola One realmente decepcionou no quesito performance ao utilizar um chipset antigo, mas isso não será problema para o One Vision, que além de subir de 64 para 128 gigabytes de armazenamento, está com processador bem mais forte, o Exynos 9609.

Produzido pela Samsung, esse é um equivalente do Snapdragon 660, que basicamente te permite jogar quase tudo no alto, inclusive jogos mais pesados. O aparelho não esquentou mesmo depois de duas horas jogando Grand Chase.

O chip ainda permite conexão wireless AC, bluetooth 5.0 e o NFC, que ficou de fora da linha Galaxy A por pura escolha.

A escolha foi meio que inesperada, já que o One Vision é o primeiro celular não Samsung a receber um chipset da empresa nos últimos anos. Essa escolha foi provavelmente impulsionada pela facilidade que a Samsung tem em trazer o chip para o Brasil, e claro, alguma negociação que barateou todos os outros componentes também adquiridos da empresa, como a tela e memória flash.

Um outro aparelho que utiliza chip parecido é o Galaxy A50, que também é seu principal concorrente. Aliás, parecido é pouco, na verdade eles são quase iguais, com excessão da velocidade do processador, que é um pouco menor nesse aparelho aqui.

Só que, ironicamente, por utilizar a interface do Android One, o Vision acaba ficando mais leve e levando a melhor nos resultados de benchmark. Para quem não lembra, Android Oone é aquele programa da Google ficar responsável pelas atualizações mais importantes do celular, garantindo 2 gerações de Android e 3 anos de patches de segurança.

A ideia é muito boa e tira um peso grande das costas das fabricantes, mas também não é uma solução sem falhas. Justamente por ser um sistema mais fechado, ele é mais vazio em funções e você tem bem menos liberdade na hora de customizar, além de sinceramente, ele ser meio feio. Fatores esses que juntos, acabam te “forçando” a baixar um launcher diferente se você quer mais controle sobre a sua interface.

Felizmente, o padrão Motorola é bem perto do Android stock e quem vem de um Motorola antigo, não terá problemas para se familiarizar com o Vision, que para ajudar, ainda tem o aplicativo de Moto Ações, um dos diferenciais que eu mais gosto nos aparelhos da marca. Por aqui ele não traz nenhuma novidade, é basicamente o que já vimos na linha G7.

Câmera

Uma das principais evoluções no entanto está nas câmeras. O aparelho implementou tanto na traseira quanto na frontal o uso da tecnologia QuadPixel. Se você acompanha os smartphones chineses, provavelmente conhece essa tecnologia pelo nome SuperPixel.

Para explicar rapidinho, ele une 4 pixels em 1, transformando um sensor de 25 megapixels em uma imagem de seis megapixels, conforme acontece na câmera frontal. Os resultados você pode acompanhar na tela, mas basicamente esses novos sensores permitem melhor desempenho em baixa luz e em HDR.

Você ainda pode escolher manter a foto em 25 megapixels, para ter um tequinho mais de nitidez e conseguir fazer um zoom maior, mas tem de lembrar que perde algumas das funções de inteligência, como o próprio HDR mais potente.

No geral, a câmera frontal tem uma temperatura um pouco mais baixa do que eu costumo ver nos aparelhos da marca, mas não chega a afetar negativamente as cores, nem qualquer outro aspecto da foto. Em gravações em Full HD nós não temos estabilização ótica, apenas um recorte que faz a tarefa de forma eletrônica. No Instagram o resultado é padrão e não perde tanta qualidade assim.

Na câmera traseira, o quadpixel transforma os 48 megapixels em 12 no modo padrão de câmera. Estranhamente não temos nem a possibilidade de 48 verdadeiro por aqui, como encontramos em outros aparelhos. Como a abertura é de f/1.7, o aparelho já vai até que bem em situações com menos luz, mas temos uma função a mais para ajudar por aqui, o modo Night Vision.

Sinceramente, quando a gente pensa no que a Google entregou com o Night Sight, dá para dizer que os resultados da Motorola são só ok. Mas como ele é um dos primeiros intermediários a trazer algo do tipo, temos de dar um pouco de crédito para ele.

Em situações só escuras, os resultados são satisfatórios, mas em situações de luz mais difíceis ele sofre bastante. Tem ainda alguns outros modos de câmera, como cor em destaque e o super bizarro cinemagraph, que são firulas mas legais de ter.

O resto fica dentro do padrão. HDR bom, cores vivas, mas realistas, e a temperatura mais fria, igual nas selfies. A câmera auxiliar só serve para o retrato, e o recorte também é bom. Para gravar já chegamos a 4K e 30fps, só que a estabilização fica limitada a Full HD e é do tipo eletrônica.

Bateria

E só para não falar que está igual, a carga da bateria também subiu um pouco, para 3500 mAh, só que ela não vai tão bem quanto eu gostaria. No Youtube eu fiquei com uma média de consumo por hora relativamente alta, e jogos e gravações não foram melhores.

Eu não esperava esses números negativos, por conta do meu tempo com o Galaxy A50, que tem o processador parecido, mas provavelmente a tela de LCD foi o suficiente para diminuir bastante a vida útil da bateria. Para carregar também não vi bons resultados, precisando de 2h20 para ir de 0 a 100% com o carregador de 15 watts.

Conclusão

A conclusão é que o Motorola One Vision trouxe características marcantes, que o posicionam bem contra seus concorrentes e irmãos. Perante o Moto G7 plus ele traz melhor desempenho, mais armazenamento interno, câmera, e uma tela em formato diferente, perdendo em tempo de carregamento de bateria, qualidade de áudio e quem sabe em design, dependendo da sua opinião.

Contra o A50 ele fica extremamente parelho, trocando armazenamento e NFC por telas e câmeras ligeiramente melhores no aparelho da Samsung, mas nada gritante.

Eu gostei dele no geral e acho que já com uma leve queda desde o lançamento pode ser uma boa opção se você não é um baita de um gastão de bateria, ponto onde realmente me decepcionou um pouco.

8 Total Score

User Rating: 3.56 (9 votes)
8 Comments
  1. Olá
    Comprei um motorola One Vision agora, após lançamento.
    Pois bem, já pude ver que o mesmo NÃO LIGA PARA NUMERO FIXO (desliga logo após atenderem)
    Não conecta, ou não é reconhecido pelo computador como TODOS os outros que já tive…..
    Então, se não liga, não carrega/ descarrega arquivos, seria apenas
    uma máquina de tirar fotos?
    O pior….é que até agora não consegui nenhum atendimento.
    Sequer atendem no 0800

    • Olá Nádia, meu nome é Ayslan Leite, sou formado e especializado em técnico de informática e conhecimentos gerais sobre tecnologias tanto (computadores e celulares com sistema android), Sobre não conectar ao computador, existe logo acima na barra de status como chamamos, uma opção de quando é conectado se você quer só carregar, transferir arquivos ou apenas transferir mídia, se a caso não aparecer, se tiver usando um windows em seu computador antigo ou até mesmo o 7, ele não instalará sozinho os drivers do seu celular, sem os drivers o computador não reconhece ele mesmo, os sistemas operacionais mais novos, eles já realizam esse serviço automaticamente e assim logo em seguida reconhecendo seu aparelho, procure um técnico em informática que ele ajudará nisso e não é caro, pelo menos eu cobro R$10,00 apenas para instalar os drivers e te ensinar a conectar para não haver problemas futuramente novamente. Sobre o 0800 se for para resolver esse problema está a dica ai, não precisa ter dor de cabeça com eles ou com garantia. Espero ter ajudado, entra em contato qualquer dúvida em meu e-mail: ayslanvictorleite047@gmail.com.

  2. Este celular é uma droga, pois em 90% do tempo não consegue ler o GPS. Com isso o uso do WAZE ou Google Maps fica inviabilizado. Sem contar nos erros de leitura, você pega a ponte Rio Niterói e o celular “lê” a sua posição como se estivesse no mar! Dirigindo na cidade, a toda hora a rota é recalculada, não por você ter saído da rota, mas pelo simples fato dele enxergar você em ruas paralelas! Isso NUNCA acontecia com os meus celulares anteriores da Samsung.

  3. O meu é perfeito não invejo nada do S10 da minha esposa, claro S10 é mais top de linha mais no quesito conforto e velocidades eu fico mais com one vision a tela é muito top, da pra digitar tranquilamente com uma mão só, sem falar no desempenho na hora de assistir vídeos e filmes muito boa a tela, parabéns pra Motorola agora acertou, comparado aos horríveis celulares antes do Motorola one. Celular muito top.

  4. Decepção é oque descreve esse celular, lindo, imagem na tela linda, mais com defeito que pela bagatela de R$1700 é difícil superar. Bom vamos lá, eu comprei pelo site a americanas, pedi troca na primeira, na segunda desiste da compra. 1º Bateria os 2 que peguei durava de 34 á 36 horas (levando em conta a quantidade de reclamação até que é boa, 2º o primeiro que peguei estava com problema no touch screen, havia momentos (vários) que não reconhecia o toque, 3º os 2 estavam com problema no áudio, as vezes saia bom as vezes não parecia auto falante estourado, mais não era toda vez que acontecia, 3º diz que é turbo o carregador, mais eu tenho um Motorola G4 Play DTV (de 2016 – que esta melhor que One Vision, mais infelizmente só tem 16 gigas) que carrega no mesmo tempo sem ser turbo o carregador, 4º o segundo que foi troca estava com problema na estabilidade, gravando vídeo ele ficava dando um puxões com se fosse corte, 5º as fotos ficavam opaca, todas as fotos que tirei em ambos os celulares, ela ficam sem vida, coloridas porem opaca.

    • Eu só estou triste com ele pq nao consigo conectar ele com a Smart Tv Samsung. E icone localização nao encontrei, e nao tenho nenhuma opçao quado quero desativar ele..
      Por favor me ajudem a resolver esse problema.

  5. Eu só estou triste com ele pq nao consigo conectar ele com a Smart Tv Samsung. E icone localização nao encontrei, e nao tenho nenhuma opçao quado quero desativar ele..
    Por favor me ajudem a resolver esse problema.

  6. Motorola Onevison, o lixo da Motorola! Trava por qualquer coisa, bateria fraca e nada de excepcional. Sistema de Android ruim, modificado para pior. Desempenho sofrível. 10X0 para o Z3. Arrependo-me de ter trocado o Z3 por ele.

Leave a reply