Qual é o melhor celular até R$1000?

Os celulares baratos estão ficando bons e os celulares bons estão ficando baratos. Quando falam, isso nossa mente corre direto para os intermediários, mas tem muito celular abaixo de 1000 reais ficando bom também. Como muitos passaram por aqui no último ano, nada melhor do que escolhermos o que nós mais gostamos nessa faixa de preço.

O que um smartphone até R$1000 oferece?

Ainda existe uma certa impressão de que os celulares até 1000 reais, os famosos “equipamentos de entrada”, são super básicos e servem apenas para falar no Whatsapp ou jogar um Candy Crush da vida. E é verdade que eles possuem certas limitações, mas isso não quer dizer que você tem que ter vergonha de abrir a câmera ou se contentar com algo que trave na tela inicial.

Os processadores, chipsets e o hardware no geral, está chegando em um nível de maturidade onde até equipamentos mais baratos estão se virando muito bem para rodar jogos mais conhecidos como Freefire, que também dá uma ajudinha deixando o próprio jogo mais leve.

As câmeras, estão dependendo cada vez mais competentes no pós processamento e inteligência artificial, e se você quiser se esforçar para editar as fotos depois de tiradas, consegue ter um excelente resultado com as câmeras principais. Isso sem contar a vantagem de uma bateria grande com um processador mais fraco. Nesse momento começamos a perceber que se pode ter um pacote bastante completo por um preço acessível.

Samsung Galaxy M30

Um dos lançamentos desse ano que melhor representa as capacidades de um aparelho moderno barato, e que por consequência se tornou um dos nossos favoritos, foi o Galaxy M30. Não foi por acaso também que ele mereceu o lugar de destaque em nosso guia de melhor celular Samsung.

Apesar de ele estar bem próximo do nosso limite de orçamento, ficamos confiante que a queda natural de preço apenas deixe ele cada vez mais distante, e por isso ele merece ficar no topo de mais uma lista.

Seu principal destaque é certamente a enorme bateria, de 5.000 mAh, capaz de aguentar uns dois dias se você não abusar muito do aparelho. Só que o que mais me atraiu foi a tela de resolução Full HD e o belíssimo painel AMOLED da Samsung, certamente uma das melhores nessa faixa de preço.

Além disso, ele é alimentado pelo Exynos 7904, com processador octacore, que não só aumenta o poder de processamento do smartphone, permitindo eu jogar até os games mais pesados, como também traz um foco grande em fotografia, capaz de dar um belo tapa nas fotos e ainda suportando o conjunto triplo de câmeras do M30, que incluí a ultrawide, raríssima de aparecer nessa faixa de preço.

O Galaxy M30 tem a melhor tela, melhor selfie e performance (boa o suficiente) de todos os celulares até 1000 reais.

Xiaomi Redmi Note 7

Se fosse para escolher um celular apenas pela performance nos jogos, minha escolha seria o Redmi Note 7. A gente já falou bastante dele e ainda vai falar mais, porque ele realmente afetou o mercado de uma maneira positiva. Sempre que alguém me pergunta de um celular para trazer lá de fora, mas não sabe muito bem o que quer, eu falo do Note 7, porque ele é atualmente o rei do custo benefício.

Ele não foi o primeiro da lista por ficar um pouco para trás em qualidade de tela e ter 1.000 mAh a menos de bateria quando comparado com o M30, mas o desempenho do seu Snapdragon 660 é mais do que o suficiente para compensar essas perdas, ficando, de acordo com os benchmarks, 50% a frente do modelo da Samsung.

O que eu gosto também é da variedade de modelos que você encontra, indo de 32 GB até 128 GB de armazenamento, com certeza existe uma versão que cabe no seu bolso.

Além do desempenho superior, outro ponto onde ele se sobressai é na câmera traseira de 48 MP e tecnologia QuadPixel, que ajuda bastante nos detalhes das fotos, fidelidade de cor e principalmente fotografias durante à noite.

Você geralmente encontra ele na faixa dos 950 reais aqui no Brasil, já importado, mas para quem está disposto a esperar, vi gente comentando que conseguiu trazer por volta de 800 reais, só que costuma demorar para chegar.

Existem também alguns riscos, como tributação de pelo menos 60% do valor e falta de garantia de uma loja do fabricante. Portanto, é preciso colocar tudo na balança antes de importar.

Motorola Moto G7 Power

Outro aparelho que gostamos bastante foi o Moto G7 Power. Mais focado em utilidade do que realmente potência e tela, ele tem como destaque a enorme bateria, TV digital e um sistema consistente. Alimentado pelo Snapdragon 632, esse sim é um processador que aguenta os jogos, mas que começa a ter algumas quedas. Por outro lado, é esse processador menos demandante que mantém a bateria funcionando por mais tempo.

O mesmo vale para a tela. Ter resolução HD com tecnologia LCD IPS permite desafogar um pouco o processador para manter tudo funcionando com uma margem um pouco maior, tanto de desempenho quanto de bateria. Se você não consome conteúdo loucamente, gosta de Motorola e não liga para bordas, ele realmente é um equipamento legal, principalmente por conta da TV digital.

O que realmente deixa o Moto G7 Power para trás são as câmeras, que claramente não foram o foco da Motorola para essa linha. Me incomodo um pouco também com o bluetooth versão 4.2, que é bem mais lento e perde conexão com facilidade, comparado com a versão 5.0, encontrada nos outros dois aparelhos. Felizmente, todo mundo aqui tem entrada para fone de ouvido.

Motorola Moto G6

Se você topa ir com um equipamento um pouco mais antigo, o mais “redondinho” é o Moto G6 da Motorola. Você encontra ele em algumas lojas por menos de 800 reais, e claro, tem seus próprios benefícios.

O G6 é daquela geração que construção ainda era valorizada e traz o vidro com armação de alumínio, combinação que não chegou para quase nenhum aparelho esse ano, principalmente nessa faixa de preço. Ele também possui uma tela Full HD IPS, que fica um nível acima do Power, principalmente para quem gosta de consumir conteúdo.

As desvantagens perante seu irmão mais novo não surpreendem: processador mais fraco, bateria uma geração para trás com 3.000 mAh e a falta de atualizações a médio prazo, são as principais, só que para a maioria das pessoas, ele já seria mais do que o suficiente.

Conclusão

Essa foi a seleção dos 4 celulares até 1000 reais que passaram por aqui e que se destacaram em meio a tantos outros que foram testados. Não tem como fugir do fato de que conseguimos encontrar celulares melhores mais próximos dessa faixa de preço, mas fiquem espertos nas promoções que eles costumam flutuar bastante de valor.

Se por acaso você precisa apertar ainda mais o orçamento e não está disposto a chegar tão perto dos 1000 reais, uma boa alternativa é procurar modelos que tenham o Android Go. Nada mais é que uma versão otimizada do Android para celulares com desempenho mais fraco, e mesmo assim não costumam deixar na mão para um uso mais básico.

Nossa lista tem como destaque o Samsung Galaxy M30 (leia nosso review completo dele), mas se observar os diferenciais que os outros modelos oferecem, não há dúvida de que encontrará o smartphone perfeito para o seu tipo de uso e poderá aproveitar ele por alguns bons anos sem ter que tirar muito dinheiro da carteira.

Diga o que você achou

Leave a reply