Redmi 7 vs Redmi Note 7: duelo entre irmãos

Se existisse um premiação da marca mais recomendada nos comentários do Youtube, a Redmi provavelmente ganharia todos os prêmios. Fazendo parte da família Xiaomi, ela é uma das preferidas da galera que valoriza custo-beneficio, principalmente pela presença forte em mercados online, que podem cortar ainda mais o custo quando comparamos com as lojas físicas. Então, se você topa os riscos de uma importação, e quer um novo Redmi, comparamos o Redmi 7 e Redmi Note 7 para você entender todas as diferenças entre eles apesar do nome parecido, e descobrir qual é o melhor pra você.

Design e tela

A primeira vista, você já vê dois aparelhos muito bonitos. As cores degradê viraram febre entre as fabricantes, aparecendo em smartphones de todas as faixas de preço. É claro que a Xiaomi não ia fazer diferente com a Redmi.

 

Como o Redmi 7 vem em formato mais chanfrado em sua traseira, com uma maior espessura e um acabamento com cara de mais barato, fica claro que o Note 7 em sua pegada mais reta e premium consegue tomar a frente. Mas em tamanho total eles são ainda bem parecidos. O Note 7 é um pouquinho maior, com uma tela de 6,3 polegadas contra 6,26 do modelo mais barato. Os dois quase não tem bordas e utilizam o entalhe em forma de gota para aumentar ainda mais a proporção da tela.

Apesar da Xiaomi ter alguns produtos com painel AMOLED, a escolha aqui foi pelo IPS LCD, que tem contraste inferior, mas vem com cores bem tunadas de fábrica, bem característica da marca. Em termos de resolução, o Redmi 7 fica para trás por ser apenas HD, enquanto o Note 7 é Full HD.

Na tela inicial isso não faz tanta diferença, mas pode pesar se você usa o YouTube, Netflix ou afins pelo celular e quer assistir tudo na maior qualidade possível. Além disso, o painel do Note 7 traz mais algumas características melhores como maior brilho, melhor contraste e cores.

 

O que vai faltar nos dois modelos é um áudio de qualidade. Posicionados em sua base, os falantes podem não ser dos mais baixos, mas são muito magrinhos. Felizmente, a Xiaomi decidiu manter o P2 nos dois modelos, encontrados na parte superior, ao lado do sempre útil infravermelho.

Esse emissor é um diferencial legal, raro de encontrar em smartphones de outras marcas, e que já nos salvou quando ninguém encontrava o controla da TV. Basicamente, a vantagem do Note 7 é a tela Full HD e o USB Tipo C. Já o Redmi 7 tem uma bandeja tripla, com espaço para 2 cartões SIM e um expansor de memória, enquanto o Note 7 utiliza uma bandeja hibrida que não permite usar um segundo cartão SIM se quiser usar cartão de memória.

Desempenho

Onde você realmente vê uma diferença é internamente. Começando pela opção do Note 7 chegar a 128 GB de armazenamento e 6 GB de RAM. Por outro lado, o Redmi 7 te permite ir dos mesmos 4 GB e 64 GB intermediários até 3 GB e 32 GB, até mesmo 16 GB de armazenamento e 2 GB de RAM, uma configuração que eu sinceramente não acho que vale a pena. Enfim, dá para ir de 16 a 128 GB de espaço de armazenamento apenas entre dois aparelhos, uma característica da linha Redmi.

 

Indo mais a fundo, temos a diferença no chipset também, o Redmi 7 está com o Snapdragon 632, contra o Snapdragon 660 no Note 7. Os ganhos de performance do chip mais forte são consideráveis. Os jogos costumam ficar na configuração baixa, mas quase sempre dá para arriscar ir para o médio, onde o Note 7 se sai um pouco melhor. Só que ainda dá para sentir algumas quedas de frames e aquelas travadinhas chatas, no PUBG, por exemplo, então é melhor ficar no baixo para não sofrer numa hora importante, principalmente no Redmi 7.

A desvantagem do 660 é que ele gasta mais bateria com os aplicativos mais pesados, e acaba não aproveitando tão bem os 4000 miliampere-hora de bateria do Note 7, o mesmo valor do Redmi 7. Isso se reflete em um gasto maior em jogos mais pesados e em gravações, deixando a média de consumo abaixo do irmão mais baratinho.

Nas atividades mais leves, como Youtube e navegação, os resultados são mais próximos, só que a resolução mais alta do Note 7 também não ajuda aqui. É a velha historia entre desempenho e bateria, que fica ainda mais aparente quando comparamos esses dois aparelhos.

Para recargar, nada de diferente, o Note 7 até tem uma capacidade maior para carregamento rápido, mas você vai precisar de um carregador a parte se quiser extrair o máximo, já que nos dois casos, o que vem na caixa é de apenas 10 W e precisa de uma média de 2 horas e 30 minutos para preencher toda a carga.

Outra semelhança entre os aparelhos é o sistema operacional. Ambos estão atualizados para a versão 10 da MIUI, que está no Android 9. Entre eles também não vemos nenhuma diferença nos sensores de navegação, que estão todos presentes, mas temos algumas alterações em conectividade. O Note 7, por exemplo, tem modulo Wi-Fi atualizado, e consegue se conectar ao sinal de 5 Ghz e um chipset mais atualizado que permite maiores velocidades, mas a gente não chega nem perto do limite de banda dele por aqui.

Câmera traseira e frontal

Para fechar, algo que muda bastante e pode influenciar mais a sua decisão são as câmeras. O Redmi 7 tem um conjunto básico, de 12 megapixels e abertura f/2.2 na traseira, auxiliada por um sensor de profundidade, contra os pseudo 48 megapixels e abertura f/1.8 do Redmi Note 7, que nos já explicamos mais a fundo no review dele, mas basicamente é uma lente de 48, que o celular só lê 12 no modo automático.

A vantagem desse processo é uma riqueza maior de informações, e um desempenho maior no escuro, que complementa a abertura menor. Além disso, o modo AI do Note 7 costuma exagerar na temperatura e na cor das foto, que pode não ser do gosto de todo mundo, mas que no geral traz um resultado bem melhor que o irmão mais novo.

Em gravação, nenhum dos dois chega a 4K, algo que o chipset do Note 7 permite, mas o sistema não. Em 1080p, a estabilização fica melhor no Note, que também consegue filmar em câmera lenta a 120 fps e resolução 1080p.

Na câmera frontal, o Redmi 7 tem resolução de 8 megapixels e abertura f/2.0, contra 13 megapixels e abertura f/2.2. O mais barato traz uma foto que pode ser chamada de “básico plus”, que tem um pouco mais de nitidez e alcance dinâmico quando comparado com outros dessa faixa de preço. Parece não ter o modo de inteligência artificial para selfies, igual o Note, e fica bem pra trás em nitidez. O rosto fantasma aparece nos dois, mas é um pouco menos acentuado no Redmi mais barato, principalmente em ambientes internos.

Conclusão

O resumo da conversa é que o Redmi 7 pode ser uma opção boa para quem realmente precisa economizar, mas ainda assim, quer um aparelho acima da média. Evite a versão de 16 GB, isso dai é economizar demais. Se você já chegou até aqui, no entanto, o salto para o Note 7 é grande e pode valer o investimento em melhores câmeras, construção e performance.

1 Comment
  1. Adoro sua pagina! Parabens!

Leave a reply