Galaxy S10+ vs Note 9: vale pagar a diferença?

O Samsung Galaxy S10+ não reinventa a roda, mas traz, basicamente, o que a de mais avançado em todas as suas frentes, posto que até o momento era do Galaxy Note 9.

Será então que o Note 9 já tem tudo que você precisa em um smartphone topo de linha ou o novo e atualizado S10+ traz melhorias suficientes dentro das suas necessidades para justificar o preço mais alto? Fica aí o que eu vou tentar te responder hoje.

Design

Todo bom smartphone começa com uma boa construção, e para os dois últimos top de linha da Samsung, não dava para ser diferente. Os dois seguem o padrão premium de corpo de vidro com entorno de metal, combinação que já cansamos de ver.

A novidade é que o S10+ é o primeiro celular a utilizar Gorilla Glass 6, que de acordo com a fabricante chega ser até duas vezes mais resistente que a geração anterior, capaz de sobreviver até 15 quedas consecutivas de uma altura de um metro.

A tecnologia promete, mas ainda não chegamos ao ponto de criar um vidro indestrutível, então pra mim não muda muita coisa. Para deixá-lo protegido tem que usar a capinha. Temos ainda uma opção com cerâmica apenas na cor preta, o que pode trazer ainda mais resistência, mas de novo, ninguém é louco ou rico de ficar testando.

A traseira que reflete em várias cores presentes no modelo mais atualizado é extremamente bonita e faz frente com as opções de preto, azul e cobre presente no Note 9, que aliás, é bem pesado e um pouco maior, num formato que lembra bastante um tijolão de churrasqueira.

Eu realmente achei muito difícil me acostumar com a pegada dele, porém tem gente que até prefere assim. Não que o S10+ seja pequeno, longe disso, mas por ser mais leve e até um pouco mais ergonômico, ele fica no meio do caminho, e impressionou muita gente pelo melhor aproveitamento em todos os quesitos.

Tela

Isso só foi possível através do novo recorte feito a laser no canto da tela, implementado em toda nova linha e que permite menos bordas. Para você ter uma noção, ele possibilitou que mesmo com um corpo menor, o S10+ possua 6,4 polegadas e proporção 19:9, mantendo a resolução Quad HD. No caso do Note 9, temos os mesmo 6,4 polegadas, mas em proporção de 18,5:9.

Nos dois casos estamos falando de uma tela muito bonita, mas que recebeu pequenos avanços no modelo mais atual. Chamada de Dynamic AMOLED, a tela do S10+ possui a capacidade de redução de emissão de luz azul, para evitar a fadiga da sua visão, e suporte para HDR10+, além de um brilho superior.

 

A verdade é que em qualidade os dois são bem próximos, esses dois recursos agem mais por baixo dos panos e você quase não sente suas influências no dia a dia. Deixaram melhor o que já era bom.

Um avanço importante é a implementação do leitor de digitais super sônico por debaixo da tela, retornando essa tarefa para a frente do celular. No Note 9 o sensor ficava ao lado das câmeras traseiras em uma posição complicada para quem tinha mão um pouco menor.

Essa nova tecnologia ainda não é tão rápida quanto o leitor do Note e é mais fácil de errar, já que não deixa nenhuma dica visual se a tela estiver desligada, mas é um bom primeiro passo.

Se pararmos para considerar a construção como um todo, é difícil falar que um dos dois sai na frente na parte externa, o áudio dos dois é muito bom com o S10+ tomando a frente em volume, temos P2, proteção IP68, carregamento sem fio. É quase a mesma coisa.

Câmeras traseiras e frontais

O diferencial começa a aparecer nas câmeras. O S10+ traz uma terceira opção de lente grande angular com 16 megapixels e abertura f/2.4. A câmera possui boa qualidade, permite um modo de filmagem com estabilização superior à vista anteriormente e traz resultados legais até em média luz, onde a abertura menor me fez duvidar um pouco dos resultados.

De resto temos quase tudo igual. Tanto o S10+ quanto o Note 9 possuem câmera principal de 12 megapixels com abertura variável e outra lente zoom com sistema de estabilização ótica. Apesar de bastante parecidas, a Samsung implementou pós processamento diferente nos dois modelos.

Em fotos normais eu preferi o resultado do Note 9, pois o S10+ parece estar num padrão asiático, deixando as pessoas muito brancas e a temperatura mais fria. No modo retrato, o Note 9 utilizava a segunda câmera, o que deixava a distância focal melhor, mas a qualidade bem mais fraca.

No novo podemos até ficar mais brancos e esticados, mas a definição é melhor, principalmente na hora que a luz começa a diminuir. O otimizador de cenas realça a cor da comida, deixa o verde vibrante e o azul do céu forte, é uma opção para acertar um pouco a pós das fotos e se você não gostar, o recurso é fácil de desligar.

Em gravações a distância é um pouco maior. O S10+ tem a superestabilização e o HDR10 que ajuda bastante na edição. De resto, tudo igual. Essas duas funções e as câmeras aumentam bastante as possibilidades para qualquer filmmaker que se preze.

O S10 também traz a função de upload direto para o Instagram, que junto com a capacidade da câmera frontal de gravar em 4K ajudam bastante os produtores de conteúdo. Aliás, a câmera finalmente recebeu um upgrade de resolução para 10 megapixels e ganhou não só mais definição como faixa dinâmica, o que é ótimo.

As diferenças de pós processamento no entanto, podem não só estar relacionadas com o avanço ano a ano, mas com o processador utilizado por cada um dos aparelhos.

Desempenho

Dessa vez a linha S veio com o Exynos contra o Snapdragon do Note 9. Não dá para dizer que o 9820 é ruim, ele trouxe um avanço bem legal, mas o salto em performance é menor do que se estivesse usando o 855.

Os dois vão rodar tudo liso que existe pra ser rodado e o S10+ fez favor de adicionar opções com até 1 TB de armazenamento e 12 GB de RAM, que possuem também velocidades de leitura e escrita melhores. Com isso, ele provavelmente se manterá rápido por mais tempo.

Esses números exorbitantes ainda não tem muita utilidade dentro dos sistemas de celular, com exceção, talvez de um heavy user de DEX que também roda Linux dentro da plataforma e faz questão de ter muita coisa aberta ao mesmo tempo.

Aliás, o Note 9 não só roda tudo bem como sai na frente por conta da S-Pen, que possibilita uma porção de modos novos de uso. Se você gosta de desenhar, escrever, ou quer um emulador de mouse para tirar os dedos de batata da tela, o Note 9 é praticamente a única opção.

Só nos resta falar agora da bateria. Em valor elas são bem parecidas, 4000 mAh no Note 9 e 4100 mAh no S10+. Como os dois contam com carregadores de 18 W, o Note 9 chega a quase 2 horas na tomada e o S10+ passa de uma hora e meia, o que sugere um avanço no tempo de carregamento da nova geração.

Não dá para reclamar muito porque a autonomia da bateria vai além de um dia com facilidade. Ambos costumam esquentar bastante em situações de mais stress, como jogos e filmagem, mas sem pontos específicos de calor, o que indica uma boa dissipação por todo o corpo. De resto temos tudo igual, software, funções como GPS, NFC e Samsung Pay e todos os afins.

Conclusão

Qual é o grande resumo da conversa? Se estamos falando de celular caro a expectativa sobe, e entre o S10+ e o Note 9, os valores ainda beiram 1500 a 2000 reais a mais, então o único motivo que vale pegar o S10+ atualmente seria pelas câmeras. E você precisa gostar bastante das novas funções.

Falo isso porque a S Pen é bem legal e em desempenho e funcionalidade você tem basicamente o mesmo. A hora que eles ficarem mais perto em preço, e vão ficar, vai ficar mais fácil decidir entre caneta ou câmera.

Diga o que você achou

Leave a reply