Xiaomi Amazfit GTR: design em primeiro lugar

R$ 799,90
R$ 821,81
in stock
Amazon.com.br
R$ 898,20
in stock
B2w.io
R$ 904,50
in stock
Americanas.com

O Xiaomi Amazfit GTR é um smartwatch com uma pegada mais estilosa que não deixa de lado as funções de esportes e notificações. Custando bem menos que as opções mais famosas do mercado e entregando mais do que uma Mi Band 4, será que ele é realmente bom ou é só bonito mesmo?

Nos últimos anos, smartwatches ganharam bastante espaço no mercado – seja por mais funções, mais variedade, melhor preço ou por falta do que comprar, já que os celulares estão maduros. Inclusive nós temos um guia do melhor smartwatch para você conhecer todas as opções.

O Apple Watch ainda domina esse mercado com mais de 5,7 milhões de unidades vendidas só no segundo trimestre desse ano, mas claro, não é todo mundo que quer ou pode gastar 4 mil reais em um Apple Watch Series 5, ou quase 2 mil por um Samsung Active 2. Para esses e para outros, o Amazfit GTR surge como uma opção de produto importado com um preço mais convidativo de 150 dólares ou encontrado por aqui no mercado brasileiro próximo de mil reais.

Construção

O design do GTR chama muita atenção, e é pra mim um dos seus grandes pilares, tanto por ser redondo e ter uma tela sem nenhum chanfro, quanto por ter um corpo em aço escovado que é bem elegante. Esse modelo do vídeo tem um diâmetro de 47 mm, mas também tem o modelo de 42 mm. Esse é o tamanho da caixa e consequentemente da tela dele.

Tem também versões com o acabamento em titânio, ouro rose e aço inoxidável, sem falar nas diferentes opções de cores das pulseiras. Falando sobre a pulseira, essa aqui é de couro sintético, e o mais legal é que ela segue um padrão de mercado, com encaixe de 22 mm. Então a maioria das pulseiras será compatível com ele, mesmo as de relógios comuns.

Já a operação do relógio é feita tanto pela tela, quanto por esses dois botões na lateral direita do relógio. O botão de cima, basicamente é o responsável por ligar o display e voltar para o ponto inicial do sistema. O debaixo, pode ser programado para ir direto para alguma função, seja iniciar uma atividade física, batimento cardíaco, etc.

A tela é feita em AMOLED e tem um tamanho de 1,39 poledas, que é bem definida e nítida, mas por não ter um brilho tão elevado, pode ser um problema se você fica muito tempo embaixo do sol. Falo isso porque como eu passo muito tempo em ambiente fechado, não foi muito problemático no meu dia-a-dia, porém, foi só tentar iniciar uma atividade física ao ar livre que eu me deparei com esse pequeno “detalhe”.

Nada que fazer aquela sombrinha com seu corpo não resolva, mas em outros modelos da mesma fabricante, como o Amazfit Pace ou Stratos, a tela não passa por esse problema embaixo do sol.

Bateria e GPS

Existe ainda um modo de always on, onde a tela passa a mostrar uma versão mais simples da watchface e que eu simplesmente acho uma mão na roda, já que eu não preciso ficar virando o pulso ou apertando algum botão o tempo todo.

Isso pode ser ajustado nas configurações do relógio. Você pode deixar a tela ligar na hora que você vira o pulso ou mostrar uma visualização simples e só ligar com o botão. Isso ajuda muito a economizar bateria, que segundo a fabricante pode chegar a 24 dias, mas que nos meus testes não chegaram nem a 15.

Claro que isso varia muito de uma pessoa pra outra, mas a vida da bateria está totalmente relacionada ao quão sedentário você é. Se você é o cara que não rastreia atividade física e nem deixa o Bluetooth pareado o tempo todo pra receber as notificações, é bem provável que você chegue sim no que a fabricante disse.

De qualquer jeito ele fica bem acima dos sofridos dois dias de um Apple Watch, mas bem abaixo de uma Mi Band 4, que pode chegar a 30 ou 40 dias sem precisar colocar na tomada, usando no mesmo ritmo.

Por falar em treino, tem que falar algumas coisas aqui sobre esse relógio que eu definitivamente não gostei. Mesmo tendo GPS e GLONASS, que supostamente daria mais precisão na hora de registrar seu treino, o trajeto captado em atividades ao ar livre fica muito ruim.

Ele não consegue captar o percurso com precisão, chegando a dar uns saltos de distância e velocidade que simplesmente não fazem sentido com o trajeto que eu percorri. Sem falar que dentro de áreas com muito prédio ou muita interferência eletromagnética, a coisa fica mais bizarra ainda.

Se você pensa em pegar esse modelo para rastrear suas corridas ou passeios de bike, eu não indico. Mesmo pareado e com ajuda do celular ele ainda não vai tão bem. Para essa mesma finalidade, tem o Amazfit Stratos ou até mesmo o mais novo deles, o Stratos 3, que melhorou algumas coisas em relação à geração passada e está muito bonito.

É um problema que eu acredito que seja resolvido com atualização de software, mas lendo os fóruns, fica difícil deixar passar essa informação aqui no review e falar que ele funciona 100%. Fique atento quando você for comprar, porque pode ser que já tenha sido resolvido.

Tô aqui falando de natação e tudo mais, então vale comentar que ele suporta até 5 ATM de pressão e o por ter o corpo completamente selado, o carregamento é feito com uma base magnética.

Software

Como todos os outros modelos Amazfit, o GTR usa o sistema proprietário deles, chamado Amazfit OS. Ele não tem muita firula nem muitas opções mirabolantes como o Tizen da Samsung e o Watch OS da Apple, mas já é bem condizente com a faixa de preço que esse equipamento está posicionado.

Nessa última versão, ela roda com bastante fluidez e é relativamente difícil fazer ela travar por completo. Claro que você não consegue instalar nenhum aplicativo de terceiro nem fazer grandes modificações, mas com o que tem, já rola rastrear mais de 10 modalidades diferentes de atividade física, captar os dados de sono, registrar seus batimentos cardíacos 24 horas por dia, notificar de chamadas e mensagens que chegam no seu aparelho, e claro, programar centenas de alarmes pra não deixar você perder a hora logo cedo.

 

Vale lembrar que esse modelo não tem memória interna pra colocar suas músicas, mas se o relógio estiver pareado com seu smartphone, você pode avançar e retroceder a faixa no Spotify ou controlar o volume. Inclusive, qualquer aplicativo que tenha aqueles botões de avançar, retroceder e pausar na barra de notificações, como o PocketCast e YouTube, vai funcionar perfeitamente com o sistema desse relógio.

No relógio você ainda consegue ativar o modo noturno, que vai desabilitar as notificações e nunca tocar enquanto você estiver dormindo, uma lanterna que deixa o brilho da tela no máximo só pra você encontrar o buraquinho da fechadura de noite e o modo de economia de bateria, que desliga todos os sensores e deixa habilitado a tela somente quando você aperta o botão.

Esse modo economiza tanta bateria que nem o alarme funciona, só rola captar os dados de sono, passos e mostrar umas informações bem simples na tela do relógio.

Muito da experiência do relógio também pode ser relacionada ao aplicativo Amazfit, que mostra detalhadamente o trajeto da atividade física, o gráfico de atividade do seu sono e batimento cardíaco, além dos passos. Se você tem algum amigo que também usa um relógio da Amazfit, rola até de compartilhar algumas informações com ele e entrar no modo de competitividade hard.

Inclusive, se você já usa o Strava, pode ficar sossegado que ele vai conseguir sincronizar as atividades registradas por ele na sua conta. Você só precisa fazer a configuração uma vez e pronto, sempre que finalizar uma atividade física, ele já vai mandar o resumo para lá.

Tem ainda os aplicativos de terceiros que te ajudam a encontrar diversas outras watchfaces para o seu relógio ou habilitar funções mais específicas. e ae eu deixo de indicação o AmazFaces e o Notify and Fitness, que são muito mais completos que o aplicativo padrão.

Conclusão

Eu não tenho dúvidas que o Amazfit GTR é um smartwatch bem bonito, elegante e que não só tem uma bateria legal como resistência de 5 ATM, além de algumas funções um pouco mais elaboradas que uma Mi Band.

Porém, eu também tenho que admitir que se você pensa em usar esse cara como um parceiro para treinos em ambiente aberto, ou se precisa de um smartwatch em que possa responder diretamente nele, realizar ligações e ter algo mais completo, ele basicamente não vai funcionar, te limitando aos modelos mais caros.

Diga o que você achou

Leave a reply