Galaxy A7 vs Redmi Note 7 vs Moto G7 Plus: trio de intermediários

O Galaxy A7, Moto G7 Plus e o Redmi Note 7 tem mais em comum do que apenas o nome. Os três são ótimas opções de intermediário, cada um suprindo as necessidades de um público diferente. Quer saber qual é o melhor para você? Acompanhe nosso comparativo para escolher o seu próximo celular.

Design

Os três aparelhos podem ser encontrados mais ou menos na mesma faixa de preço, mas a diferença das marcas começa a aparecer logo na caixa. O Galaxy A7 e o Moto G7 Plus vem com fone de ouvido, de qualidade parecida, e uma capinha relativamente boa. Já no Redmi falta um fone, ele vem só com uma capinha que é bem mole e ruim, que além de amarelar, provavelmente vai espanar rápido.

Na questão de construção, os três são bem parecidos. A frente e traseira de vidro com um entorno de plástico, o que muda é a forma e tamanho de cada um. O G7 Plus é o menor e tem laterais arredondadas, enquanto que o Note 7 é quadrado e comprido. Já o A7 é gordinho e também tem a tela menor, graças a falta do notch e de bordas bem mais espaçosas que nos outros dois. Ela chega em “apenas” 6 polegadas, contra 6,2 do G7 Plus e 6,3 do Note 7, todos com resolução Full HD. Seria bem difícil falar que algum deles é pequeno, o que varia é o aproveitamento da frente do aparelho.

Até porque em qualidade de tela eles também estão próximos, dentro das limitações de cada tipo de painel, mas o meu preferido é sempre o AMOLED do A7, que tem cores vivas e níveis de contraste que o LCD não consegue superar.

Para quem não gosta tanto da tela da Samsung, o Note 7 te permite personalizar a intensidade e a temperatura das cores mais a fundo, tirando isso é praticamente o mesmo painel.

No resto da parte externa, a única diferença marcante que falta comentar é a entrada micro USB do A7, contra o Tipo C dos outros dois. Não é uma baita desvantagem e pode até ser mais útil, dependendo do que você já tem de cabos em casa.

Boa parte das diferenças de construção dos aparelhos está em características pessoais, dependendo das suas preferências. A menos que você não goste muito da aparência de um deles, o resto do aparelho tem um peso bem maior na sua decisão.

Desempenho e bateria

Um bom lugar para começar a olhar é no hardware, que varia bastante. Começando pelo chipset, o Redmi 7 leva a melhor em velocidade de CPU, empata com o A7 em GPU e ambos se distanciam bastante do G7, mais por uma falta de otimização da Motorola do que por um problema do Snapdragon 636, já que outros aparelhos, com esse chip, conseguem chegar mais longe.

Passando para a memória, os três tem a versão básica de 64GB de memória interna e 4GB de RAM, mas vale comentar que dá para economizar um pouco indo com a versão de 32GB do Note 7 ou se você precisa de mais espaço, tem como levar o Galaxy A7 com 128GB pagando um pouco a mais.

Para fechar essa parte das partes internas, vamos falar da bateria. O Redmi 7 de novo sai na frente, mas o processador é um pouco gastão, o que diminui essa vantagem. Os outros dois ficam mais ou menos iguais nessa questão de consumo, mas o destaque vai para o tempo de recarga do Moto G7 Plus, onde uma carga completa só precisa de 50 minutos na tomada, enquanto os outros dois ficam próximos de 2 horas e 20 minutos, um tempo bem ruim em comparação.

Câmera traseira e frontal

Agora, olhando só para as características das lentes de cada aparelho, parece que o Redmi Note 7 leva a melhor, mas como eu falei na análise completa dele, esses 48 megapixels anunciados na verdade só produzem fotos de 12 megapixels. Posso adiantar que os resultados que eu mais gostei foram disparados do Galaxy A7, principalmente depois das atualizações que chegaram com a One UI.

Começando pela câmera frontal, o A7 não te deixa com cara branca, as cores são mais vivas e a função de HDR foi a que mais me agradou. O que não é surpresa, já que os outros dois aparelhos não focaram nessa lente.

A briga fica mais acirrada fica na câmera traseira, apesar de exagerar na propaganda, o Redmi Note 7 não deixou a desejar em nenhuma frente, inclusive ele tem um HDR bem agressivo, mas o pós processamento ainda é claramente asiático.

Infelizmente o Moto G7 Plus também parece ter essa pós que não segue os padrões brasileiros, e no geral não consegue competir com nenhum dos outros dois. Só que, o vencedor para mim é, de novo, o Galaxy A7, por motivos bem parecidos com o da lente da frontal. As cores são mais bonitas, o contraste é melhor, em baixa luz tem menos chiado e tudo mais. Além disso, ele é o único com a opção de fotos ultrawide, uma das lentes auxiliares que eu acho mais útil.

Claro que muito desse lance de fotografia depende da preferência de cada pessoa, e se você gostou mais de algum outro, não tem nada de errado, vai no aparelho que você gostou mais que não tem erro.

Software

Para finalizar, cada marca segue um caminho bem diferente no software, algo que influencia bastante a usabilidade do aparelho. A MIUI do Note 7 é a que fica mais longe do Android de fábrica, mas não chega a ser uma interface muito pesada. O problema é se acostumar com ela, mas eu passei um tempo e não demorei muito para me encontrar, então você também não deve ter problemas.

Mais ou menos na mesma onda, o Galaxy A7 acabou de ser atualizado para a One UI, que tem uma base bem parecida com as antigas da Samsung, mas altera bastante a usabilidade, pensando em facilitar o uso com uma mão desses aparelhos cada vez maiores.

Quem fez menos alterações foi a Motorola, porque o Moto G7 Plus ainda está bem parecido com a geração anterior, apesar de terem removido bastante do que não foi bem aceito, mantiveram o que funcionou. Dentre essas três customizações, foi essa a que eu achei melhor, principalmente na maneira que adaptou os novos recursos do Android Pie e pela facilidade de se adaptação.

Conclusão

Para finalizar, o intermediário que mais vale a pena para você vai depender muito de como você pretende utilizar seu próximo smartphone.

O Moto G7 Plus se posiciona como uma ótima opção para quem não quer nada em especifico para seu smartphone. Se preocupando só em ter um aparelho moderno e confortável de usar. Quem já tem um Motorola ou um Samsung que ainda não foi atualizado, vai ter uma transição bem intuitiva para esse aparelho.

Por outro lado, se você leva à sério a jogatina, o Redmi Note 7 é o custo beneficio no quesito desempenho. Ele ainda tem uma bateria duradora, que complementa a necessidade de um jogador, e vai bem em fotografia.

Porém, se você valoriza bastante as câmeras, e ainda quer um nacional bem potente, o Galaxy A7 é opção que eu mais recomendo.

Diga o que você achou

Leave a reply