Galaxy Buds: o melhor fone de ouvido bluetooth da Samsung

Os Galaxy Buds são um dos poucos fones de ouvido que me fizeram finalmente começar a transição para o Bluetooth. Eles não são os mais completos, já que perante o Gear Icon X, seu antecessor espiritual, eles perderam algumas funcionalidades como o sensor de batimentos cardíacos e o armazenamento interno para rodar algum tipo de conteúdo sem auxílio do celular.

Pareamento

O que mais me chamou atenção foi a eliminação de barreiras, de “burocracia”. Ao tirar o equipamento da caixa, seja o seu celular um Samsung, um Android ou um iPhone, o Galaxy Buds já aparece na lista de pareamento – clicou e pronto, bem rápido.

Para trocar de um equipamento para outro é só desconectar ou desligar o bluetooth do aparelho em questão que ele volta a aparecer nas listas novamente. Tem muito fone que você tem de colocar esquecer para ele aparecer de novo, apertar botão e vocês sabem mais o que.

Para mim isso foi essencial, já que ao transitar entre celular e computador pra trabalhar, me vejo nesse processo algumas vezes ao dia.

Bateria

Outra característica importante e que foi meio que incrementada ao retirar funções adicionais é a bateria. Ela dura perto de 6 horas e quando colocado na caixa, ganha mais 6 horas. Mas o melhor de tudo é que carrega via USB-C e sem fio. Sem brincadeira, quanto fone eu já não testei com entrada proprietária que me deixou na mão porque não tinha onde carregar?

Aliás, como o case tem 252mAh, qualquer carregada já importa e se quiser fazer o carregamento reverso do S10+ você não vai perder tanta bateria assim, até porque não precisa dar a carga toda de uma vez.

Qualidade de som e ergonomia

Eu falei dessas características antes porque foi o que me fez gostar do fone. Falo isso porque o áudio dele é ok. Aliás, ok não, é bom, mas tem coisa melhor e mais barata. O Jaybird X3, por exemplo, tem bem mais punch mas a borrachinha já deu pau. Elas por elas. Uma opção é usar o aplicativo para encorpar um pouco mais a configuração padrão. Mas no fim falta um pouquinho mais de grave.

O encaixe na orelha está muito bom! É fácil esquecer que ele está ali, e basicamente você só consegue de ligar e desligar a música ao dar um toque. Dá pra apertar e segurar pra ajustar volume depois de selecionar uma opção nas configurações, mas é basicamente isso, comandos extremamente reduzidos. O fone pausa sozinho se você tirar do ouvido.

Nosso editor levou os fones para dar uma volta na academia e reclamou justamente disso: “ah, eu preciso mexer no celular pra mudar o volume. E se vem alguém conversar comigo eu não tenho onde colocar os fones. Se quero tirar um fone só a música para e tenho de apertar de novo no que ficou.”

Pra mim, que usei em situações que queria ficar mais parado, os fones tiveram boa ergonomia e não incomodaram. Parece que para exercício você vai ter de ir atrás de algo mais “fit”. Aliás, até tinha uma solução para o problema dele. Ao instalar ou simplesmente usar o aplicativo do Samsung Gear, você consegue ativar o modo de som ambiente – isso é legal pra andar de bike ou correr -, mas em um treino de academia eu não abriria mão da qualidade de som só para ficar atento ao ambiente.

Outras funções que o aplicativo proporciona é a regulagem de frequências, que não melhorou tanto a qualidade do som quanto eu esperava. O mesmo vale para a adição dos gestos, que pode ser realizado por aqui mas que mesmo assim não são precisos.

Conclusão

O grande resumo da conversa é que o Galaxy Buds é um ótimo fone tanto pela praticidade quanto pela qualidade de som que não deixa a desejar. O problema é que eu ainda não tenho coragem de pagar 1000 reais em um fone sabendo que tem opções bem mais em conta.

Sim, ele é mais barato que os AirPods com uma qualidade de som melhor, e com esse lance de praticidade, mas gente, isso é opinião minha mesmo: não dá para pagar 1000 reais em um fone bluetooth. Tipo, celular 10 mil e fone mil? Onde a gente vai parar se continuar nessa tocada?

9 Total Score

User Rating: Be the first one!
Diga o que você achou

Leave a reply